Renegociar com os Bancos é sempre uma situação estressante para a maioria das pessoas. A crise econômica que atingiu o Brasil nos últimos anos criou um número gigantesco de pessoas endividadas.

A inadimplência é uma realidade que prejudica os dois lados da moeda, ou seja, Bancos e clientes. Trabalhei seis anos em uma instituição financeira e conheço o lado de dentro da mesa de negociação.

Posso garantir que existe um grande interesse por parte deles de que você venha renegociar com os bancos e resolver essa questão. Não é interessante para nenhum dos lados ficar nesta situação, o prejuízo pode ser pesado para todo mundo.

Entretanto existem alguns pontos que podem te ajudar a resolver essa questão de uma maneira mais favorável já que as pessoas e as empresas neste caso acabam sendo o lado mais fraco da história.

RENEGOCIAR COM OS BANCOS

Hoje em dia da até para renegociar suas dívidas pela internet mas eu não recomendo isso. Prefiro pessoalmente dessa forma você poderá solicitar uma revisão ou redução de taxas por exemplo.

Existem alguns pontos importantes que você precisa saber antes de ir renegociar com os bancos, isso para te ajudar a se preparar melhor.

Os bancos separam os débitos por carteiras. Se você está devendo no cartão de crédito está alocado em um tipo de carteira, se é cheque especial, outra carteira e assim por diante.

Entretanto para cada tipo de carteira existe uma tabela de prazos e taxas específicos, disponíveis para a negociação. E de acordo com a carteira que você está enquadrado as coisas podem ser mais fáceis ou mais difíceis.

VÁRIAS CARTEIRAS

Não tem problema se você está enquadrado em várias carteiras ao mesmo tempo. O sistema do banco analisa tudo e dá a informação pronta para o funcionário. E ai cabe a ele dizer as condições que o banco está oferecendo.

Entendo isso pois a pouco tempo atrás isso era feito de forma manual, não existia um sistema capaz de juntar essas informações. Dessa forma a negociação podia ser bem mais flexível do que hoje em dia, mas ainda é possível chegar um denominador comum entre as partes.

O importante aqui é saber que existem três níveis de liberação. O funcionário tem uma alçada ou limite de desconto. Depois existe a alçada do gerente da agência e tem a última que é a alçada do departamento de renegociação responsável. Lá eles podem ampliar os prazos e abaixar as taxas de acordo com a negociação.

O que eles levam em consideração é: Tipos de carteiras, tempo da dívida, valor disponível para entrada e condição de pagamento.

CARTEIRAS

TIPOS DE CARTEIRAS – Alguns tipos de carteiras não são aptas a renegociação e podem dificultar bastante sua vida. Geralmente são débitos onde o endividado usou de má fé com o banco, ou débitos oriundos de alguns tipos de golpes.

Já outras carteiras como empréstimos, cheque especial ou cartões de crédito são mais simples e com maiores possibilidades de renegociação.

TEMPO

TEMPO DE DÍVIDA – Para o Banco existe o valor líquido da dívida (valor que você realmente usou) e existe o valor total do débito (valor principal mais taxas e juros acumulado ao longo do tempo).

Quanto mais longo for o prazo da dívida mais desconto nos juros será concedido. Entretanto se o débito ultrapassar um período muito longo o banco pode conceder, em ÚLTIMO CASO, dependendo da promoção ou época, um desconto de até 100% dos juros e até retirar parte do valor principal ou original da dívida.

Isso porque para o banco esse valor já foi absorvido como prejuízo em seus balanços, portanto quando é feito o pagamento o valor entra como receita nova. Isso é muito benéfico para as contas do banco e por isso eles te perseguem de todas as formas possíveis.

ENTRADA

VALOR DE ENTRADA – Sem dúvida seu maior trunfo nessa negociação é o valor disponível para a entrada. Geralmente é solicitado o mínimo de 10% mas eles começam pedindo até 50% do débito. É muito difícil realizar uma renegociação sem um valor para a entrada, eu já vi acontecer mas são exceções.

PAGAMENTO

CONDIÇÃO DE PAGAMENTO – A forma como você vai pagar, o dia solicitado e o prazo de pagamento da primeira parcela são de responsabilidade sua. Faça as contas, e solicite prazos que você consiga pagar, escolha o melhor dia, e pense sempre nos imprevistos. O ideal é começar a pagar a primeira depois de 30 dias certo? Caso você peça mais tempo lembre-se que você pagará mais caro por isso.

No caso de você fracassar na primeira renegociação e não conseguir pagar você entrará para uma outra carteira que dificultará futuras negociações. Esta outra carteira automaticamente exigirá na próxima vez uma entrada bem maior, prazos menores e juros mais altos. Isso porque você mostrou anteriormente que o risco de renegociar com você é maior.

BLOQUEADO

Renegociar com os bancos

SÓ SÃO LIBERADOS NOVOS CRÉDITOS APÓS A QUITAÇÃO DO CONTRATO DE RENEGOCIAÇÃO

É de praxe que enquanto você está pagando seus débitos, outros produtos como, cartão de crédito, crédito pessoal, cheque especial, fiquem bloqueados até o término do pagamento do acordo. Então se está pensando em fazer um acordo para obter mais crédito esqueça isso não acontecerá.

A alguns anos no Brasil os sistemas estão sendo integrados e cada pessoa possui um histórico financeiro individual. Portanto assim que você fizer a renegociação a instituição ficará com um pé atrás para liberar novo crédito.

Isso por conta do histórico ruim, mas conforme você vai quitando seu débito e começando a solicitar novos créditos seu histórico volta a crescer e você poderá se livrar de uma vez por todas daquele histórico ruim.

Limpar o nome é sempre um bom negócio. Ter crédito disponível é importante, mas é preciso saber usá-lo. O banco sabe quando a pessoa está realmente com dificuldade e fará o possível para facilitar o processo de renegociação.

Entretanto ele também sabe quando a pessoa está usando de má fé para limpar o nome e solicitar mais crédito. Esse tipo de gente pode perder de vez suas chances de realizar novos negócios no futuro.

 

Renegociar com os bancos

EQUILIBRE ESSES PONTOS E TERÁ UMA BOA RENEGOCIAÇÃO

Para conseguir renegociar com os bancos você terá que conseguir realizar um equilíbrio entre os fatores acima citados muito provavelmente você sairá de lá com seu nome limpo e com grandes perspectivas de crédito no futuro.

Mas lembre-se quando você sair de casa para renegociar com os bancos, diga sempre a verdade, não tente ser mais esperto que eles, afinal você tem muito mais a perder.